Onde limite é a virgula e não o ponto.


Minha alma na morada

12/06/2013 14:04

Adoro mergulhar em tuas azuis e gélidas águas

Lindos e largos são os lagos situados em órbitas magistrais

É onde lavo minha alma

 

Adoro sentir o sabor da fruta de finas escamas em forma de coração

É meu este teu morango

Onde doces palavras alimentam minha alma

 

Adoro estar em tão aconchegante morada

Pequena casa, singela luz a brilhar na sala

Onde deito minha alma na rede formada de teus abraços

 

Teus olhos...

Teus lábios...

Teu corpo...

 

Texto: Maurício Gervazoni

Imagem: Foto da Déinha

 

Curtiu?Curta:https://www.facebook.com/poesiassemfronteiras

 

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!