Onde limite é a virgula e não o ponto.


Estação terminal

06/10/2013 08:58

 

O maquinista que me apertou o apito

Libertando minha febre da caldeira

Vou correndo ao som de um belo grito

A fumaça vai esvaindo-me a fogueira

 

É vasto este vapor que me alimenta

Ardendo o calor que foi tua floresta

Transformo o velho verde em fuligem

 E aspirando-te negro exalo a nua origem

 

És minha e sou tua, um mal necessário

Movimentou-me a traste sobre rodas

Quando consumi este teu triste ossário

 

Pois foi do carvão de ti nas queimadas

Que urgi da morte a vida um rosário...

Rezo eu Maria a esfumar-te em estradas

 

Texto: Maurício Gervazoni

Imagem: Semtur - Secretária Turismo do Estado de São Paulo -

Curtiu?Curta: https://www.facebook.com/poesiassemfronteiras



Leia mais: https://sem-fronteiras2.webnode.com/news/po/
 

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!